Como fazer refinanciamento de imóvel: veja os procedimentos

By:

O que é refinanciamento de imóvel?

Ainda pouco conhecido no Brasil, o conceito de refinanciamento de imóvel e a maneira de fazê-lo geram muitas dúvidas. Outras modalidades de crédito, como empréstimos e quantias disponíveis em cheque especial e cartões de crédito, acabam sendo mais procurados.

Refinanciar um imóvel é uma alternativa excelente para pessoas que precisam de uma boa quantidade de dinheiro, para a realização de grandes projetos. Créditos: Klaus Aires

No entanto, conseguir dinheiro extra dessas formas gera mais juros e compensa menos em comparação a qualquer tipo de refinanciamento.

Esse tipo de transação consiste na obtenção de crédito, com o imóvel sendo dado em garantia no caso de falta de pagamento das parcelas. A modalidade é semelhante à hipoteca, na qual o imóvel não fica sob posse do credor, embora ele tenha poder de leiloá-lo caso o compromisso não seja quitado. A diferença é que, no refinanciamento, a casa ou apartamento tornam-se propriedade da instituição financeira.

Nos Estados Unidos, essa é uma forma muito comum de se conseguir crédito.

Esse tipo de refinanciamento surgiu para clientes que necessitam de um montante maior de dinheiro para realizar grandes projetos, como a reforma de uma casa ou estudos no exterior. Além disso, é uma excelente alternativa em comparação a outros empréstimos cujo risco de inadimplência seja alto.

A partir de agora, saiba como fazer refinanciamento de imóvel e todos os detalhes relacionados.

Como funciona o refinanciamento de imóvel?

Também chamado de alienação fiduciária, o refinanciamento de imóvel requer um contrato, que precisa ser aprovado e assinado para que a transação seja concretizada.

Saber como fazer um refinanciamento de imóvel antes de concretizar o negócio é fundamental para encontrar as melhores oportunidades.

No documento, devem constar o valor que precisa ser pago, a descrição das parcelas e todas as taxas relacionadas. Além disso, também é necessário incluir uma descrição do imóvel usado no refinanciamento.

Essas normas estão de acordo com o Registro de Títulos e Dívidas.

As parcelas são debitadas diretamente de sua conta corrente.

Confira a seguir alguns detalhes, separados por tópicos, que explicam melhor como fazer refinanciamento de imóvel.

Documentos necessários

Se preferir saber como será a transação, pode simular os valores. Assim, você consegue planejar melhor o pagamento das parcelas. Nesse caso, não é preciso levar documentação alguma.

No entanto, se você realmente pretende fechar o negócio, separar os itens é uma forma de tornar o processo mais rápido e menos burocrático.

Os itens para se fazer o refinanciamento de qualquer imóvel são:

  • CPF;
  • RG;
  • Comprovante de residência;
  • Comprovante de renda;
  • Comprovante de estado civil (certidão de nascimento, casamento, divórcio ou atestado de óbito);
  • Cópia da declaração do imposto de renda e também do seu recibo de entrega;
  • Matrícula do imóvel

Lembrando que todos os documentos devem ser recentes e/ou atualizados.

Prazos do processo

No refinanciamento de imóvel promovido pelas instituições financeiras, as parcelas podem se estender por até 240 meses (20 anos). Por esse motivo, essa é uma alternativa interessante para pessoas que precisam de uma boa quantia em dinheiro e não têm outras alternativas nesse sentido.

O prazo para quitação do empréstimo costuma ser longo e possibilita seu planejamento. Créditos: Joel Fotos

Um aspecto ainda mais compensador é em relação às novas possibilidades de empréstimo. Se, inicialmente, você não conseguir todo o montante de que precisaria, poderá ter acesso a novos créditos nos primeiros cinco anos do negócio.

Custos e taxas totais de refinanciamento

De acordo com o banco, as taxas de juros podem variar. Por isso, antes de escolher uma instituição, é preciso procurar várias, fazer simulações e cálculos, a fim de escolher a opção mais atrativa.

Geralmente, são cobradas as taxas de juros características de um empréstimo como esse. Além disso, também são incluídos o IOF (Imposto sobre operações financeiras) e seguros como o de Danos Físicos do Imóvel (DFI) e Morte ou Invalidez (MIP). Ainda há o IGP-M, que é cobrado anualmente.

Em comparação a outras formas de empréstimo, os valores são bem reduzidos. Você pode encontrar taxas de pouco mais de 1% ao mês – um índice bem atrativo em relação ao cartão de crédito (aproximadamente 12%) e ao cheque especial (10%). Essas taxas também são cobradas mensalmente.

Mesmo outras formas de crédito possuem porcentagens mais elevadas: os empréstimos pessoais variam entre 4 e 7% ao mês (de acordo com a instituição que os oferecem) e o crediário das lojas pratica taxas de 5%.

Como você pôde perceber, um refinanciamento de imóvel tem números, no mínimo, 4 vezes menores.

Quais tipos de imóveis podem ser refinanciados?

Muitos tipos de imóveis podem ser refinanciados, tanto comerciais quanto residenciais. Casas e apartamentos, em geral, em área urbana, podem fazer parte do negócio.

Imóveis rurais também costumam ser aprovados, assim como terrenos em geral, independentemente do porte da cidade e do ambiente (urbano ou não). A presença de uma construção não é uma condição indispensável para que a transação seja concretizada.

Contudo, para conseguir fazer o refinanciamento do imóvel, é necessário que ele valha, pelo menos, 30 mil reais. Essa quantia, inclusive, é avaliada pela instituição financeira antes de qualquer consolidação de empréstimo.

É importante salientar que o dinheiro a ser cedido para o dono do imóvel não é o seu valor integral. O valor mínimo para esse tipo de transação é de 20 mil reais e o limite é de 50% do valor do bem. O valor a ser liberado, entretanto, obedece a alguns fatores, como a capacidade de pagamento do cliente (que é analisada previamente) e o nível de contato com a instituição financeira que cede o empréstimo.

Da mesma forma, o apartamento, casa ou terreno devem estar quitados e com todos os documentos em ordem.

Um outro aspecto importante é em relação à vistoria do imóvel. Antes da aprovação do refinanciamento, todas as suas características são avaliadas, principalmente em relação aos seus estados físico e estrutural.

Para que a negociação seja realizada, o imóvel deve estar no nome do solicitante. Caso esse não seja o caso, outras modalidades de crédito estão disponíveis, como o empréstimo pessoal.

Ao longo deste texto, você viu como fazer refinanciamento de imóvel e todos os tópicos relacionados à sua concretização, a exemplo da documentação necessária, vistoria, prazos e valor a ser liberado. Também conheceu as melhores ocasiões pelas quais esse tipo de crédito se torna vantajoso.

Para conhecer outras formas de empréstimo e suas utilidades, leia o conteúdo já publicado no site. Através dele, você tem informações preciosas para tomar a melhor decisão quando se fala de crédito.

Textos novos são sempre postados no blog, com informações atualizadas. Acesse-o regularmente e fique sabendo de todas as novidades do setor.

Entre em contato em caso de dúvidas ou maiores esclarecimentos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *