Empreendedorismo feminino: entenda sua importância e como começar

By:

Qual a importância do empreendedorismo feminino?

A participação feminina no ramo de negócios vem crescendo cada vez mais e, de acordo com o consórcio internacional GEM (Global Entrepreneurship Monitor), 51,5% dos novos negócios criados no Brasil em 2016 foram criados por mulheres.

Entre os anos 2002 e 2012, o percentual de mulheres no empreendedorismo aumentou 18%. Além disso, a cada dez mulheres que são chefes de família, quatro também são chefes de negócios.

Os números não mentem e, de fato, o empreendedorismo feminino vem se destacando e brigando por espaço com o setor que anteriormente era dominado pelo sexo masculino.

Como dizem, a união faz a força e é por isso que as mulheres se tornaram verdadeiras aliadas numa luta que é de todos.

Alguns dos setores de negócios em que geralmente se destaca a atuação do sexo feminino são: serviços domésticos, beleza e estética, vestuário, moda e por aí vai.

Ocorre que, além da questão econômica, o empreendedorismo feminino retrata um importante contexto social, em que as mulheres precisam lidar com o mercado machista e que não é tão acolhedor quanto deveria.

Assim, mesmo com os números positivos, ainda há muito que ser enfrentado pelo empreendedorismo feminino. Continue a leitura deste artigo e descubra algumas das barreiras a serem derrubadas pela luta feminista!

Quais são os maiores desafios encontrados?

Barreiras sociais, a realidade das multitarefas, limitação de crédito, falta de suporte. Essas são apenas algumas das dificuldades encontradas diariamente pelas mulheres empreendedoras. A seguir, alguns exemplos.

Barreiras sociais

Ainda é uma realidade muitas mulheres serem vítimas de assédio nos ambientes corporativos, e, assim, a luta contra atitudes machistas como essa é constante.

Como forma de evitarem situações constrangedoras, elas tentam passar despercebidas e não assumir posições de destaque, o que, definitivamente, não é a melhor opção.

Se esconder nunca será a saída ou a solução para problemas sociais, pois, além de impedir o alcance do sucesso profissional, permite e até incentiva a permanência da discriminação.

O simples fato de ser mulher parece ser um “problema” e é contra isso que se deve lutar todos os dias, buscando a construção de uma sociedade mais igualitária, sem preconceitos e verdadeiramente justa.

Salários inferiores

Por mais estranho e sem sentido que possa parecer, muitas pessoas ainda não acreditam nas habilidades da mulher de gerir um negócio, e essa descrença impacta diretamente sua remuneração, já que, mesmo quando exercem as mesmas atividades que os homens, mulheres tendem a ganhar salário inferior.

Segundo pesquisa realizada pelo IBGE em 2015, os homens possuem rendimento médio mensal de R$ 5.222, enquanto as mulheres, R$ 3.575, o que demonstra uma diferença de 31,5%.

Assim, percebemos que ainda há muito a ser alterado para que, de fato, as mulheres recebam o suporte financeiro e social que sempre foi dado aos homens.

Falta de suporte familiar

Não raro, na busca por conselhos e aprovação de familiares e amigos, as mulheres podem acabar sendo desestimuladas a seguir na busca pelos seus sonhos de empreender.

Começar um negócio não é e nunca será algo fácil, mas o início é apenas uma das etapas a ser vivenciada.

Ainda há muito pela frente e é preciso acreditar em si mesma quando os outros não o fazem.

Multitarefas

Cuidados com a casa e com os filhos deixaram de ser o único sonho das mulheres que, há tempos, brigam para alcançar promoções e para crescer também na esfera profissional.

Por outro lado, as responsabilidades de outrora permanecem existindo e por isso a jornada de multitarefas é mais um desafio encontrado pelas mulheres que querem empreender.

Além de liderar o próprio negócio e investir na carreira, as mulheres possuem tarefas extras com a família. Uma dica importante é aprender a delegar essas tarefas e distribuir o peso com os outros integrantes do lar, caso contrário, será impossível não se sobrecarregar ante a rotina maçante.

Limitação de crédito

A limitação de crédito costuma ser um problema para todos os empreendedores que estão dando seus primeiros passos, sejam homens ou mulheres.

Entretanto, percebe-se que o desafio colocado para o sexo feminino é ainda maior, haja vista que o limite crédito sofre redução, além de ser mais caro quando comparados com aqueles disponíveis para os homens.

Ainda assim, as mulheres lutam e se empenham para compensar desvantagens como essas, superando mais uma barreira rumo ao sucesso de suas empresas.

Como começar a empreender?

Vejamos algumas dicas importantes para quem está empreendendo ou para quem ainda precisa dar o pontapé inicial para criar o seu negócio.

O autoconhecimento é uma ferramenta muito importante e que vai fazer a diferença não apenas na sua carreira profissional, mas na vida pessoal.

Em um cenário onde as mulheres são criticadas e pouco incentivadas a crescer, o julgamento do mundo externo funciona como uma possível barreira a impedir o sucesso, por isso é tão essencial desenvolver o autoconhecimento e a autoconfiança.

Já que muitas vezes não recebem o apoio que merecem, as mulheres precisam acreditar em si mesmas, acreditar que são capazes e que vão conseguir, inobstante as dificuldades do caminho a ser percorrido.

O histórico da sociedade machista ensinava que o homem é o provedor familiar e que, portanto, ele é o responsável financeiramente pelo suporte da família.

Acontece que, embora essa não seja mais a realidade dos lares brasileiros, ainda assim, muitas mulheres se sentem culpadas por delegar suas tarefas para terceiros.

Como vimos no tópico acima, tentar controlar todos os âmbitos da vida pessoal e do trabalho não é a melhor saída, sendo o estresse e a ansiedade as possíveis consequências.

Assim, uma dica importante é aceitar que nem tudo está sob seu controle, porque não precisa e nem deve estar.

Estabeleça metas diárias. Uma coisa de cada vez e no seu tempo. As coisas não saem perfeitas simplesmente porque a perfeição é uma ideia, e não uma realidade.

Organização do tempo, entre outras coisas, é essencial para quem quer empreender, talvez ainda mais para as mulheres.

Para você se inspirar

O importante é saber que você, mulher, não está sozinha. Muitas outras mulheres enfrentaram e venceram essa difícil trajetória até o sucesso. Vejamos alguns exemplos a seguir:

Clicquot Ponsardin. Esse é o nome da primeira mulher a se aventurar no ramo dos negócios em pleno século XIX. Em uma época em que as mulheres passavam longe de exercer qualquer papel de liderança, Clicquot Ponsardin se fez responsável pela empresa do falecido marido e, apesar de ter lidado com diversas dificuldades sociais, ela transformou a sua marca de vinho em uma das melhores do mundo.

Luiza Helena Trajano, brasileira e proprietária do Magazine Luiza, foi a responsável pelo crescimento da empresa da família, comprovando que as mulheres possuem tanta capacidade quanto os homens para liderar um negócio e gerar bons frutos.

Helena Rizzo é uma famosa chef de cozinha proprietária do restaurante chamado Maní. O trabalho árduo e a persistência em continuar mesmo nos momentos mais difíceis permitiram que, hoje, o seu restaurante tenha se tornado super-conhecido e mais que aprovado pelos paulistas.

Quem nunca ouviu falar no nome Coco Chanel? Gabrielle Chanel é um nome da moda graças à sua marca de bolsas e sapatos que conquista todos os gostos. Esse é um grande exemplo de sucesso do empreendedorismo feminino.

Famosa estilista, Patrícia Bonaldi é a dona da marca homônima PatBo, que faz sucesso tanto com roupas de festas como com roupas do dia a dia. Além disso, seu destaque acontece não apenas no Brasil, já que muitas de suas seguidoras são do exterior.

Roberta Vasconcelos é a criadora do Beer or Coffee, aplicativo que tem recebido muito destaque no ramo de negócios e que permite encontros entre pessoas que possuem os mesmos interesses. Que tal dar uma parada na rotina para tomar uma cerveja ou café?

Cristina Junqueira é uma das fundadoras do Nubank, famosa startup que conquista a todos com as suas facilidades e ausência de taxas.

Bee Reis é mais um exemplo de sucesso e superação. Pensando nas mulheres fora do padrão de beleza imposto pela sociedade, ela criou a marca F.A.T, For All Types, que comercializa lingeries e biquínis para mulheres que vestem acima do tamanho 46. Assim, ela iniciou não apenas um negócio de sucesso, mas vem ajudando muitas mulheres a melhorarem sua autoestima, proporcionando mais beleza e conforto.

Esses são apenas alguns exemplos de sucesso e você também pode se transformar em um deles!

As mudanças acontecem em baby steps (pequenos passos), mas, com a participação de todos, o futuro do empreendedorismo feminino é promissor e será responsável por uma verdadeira revolução na busca pela igualdade de gênero.

Agora você já conhece as principais dicas e desafios a serem enfrentados pelas mulheres que decidem empreender.

Como vimos, por questões socioculturais, há alguns desafios a mais quando se trata da posição da mulher em atividades de liderança, mas a guerra está longe de acabar e muitas batalhas já foram vencidas.

Vale dizer que uma ótima dica de leitura é o “Clube da Luta Feminista”, da autora Jessica Bennett, no qual você também encontrará vários conselhos e ideias sensacionais!

Ficou com alguma dúvida? Não perca tempo e deixe aqui seu comentário!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *