close

Grana

O que são debêntures e por que investir nesses títulos?

março de 2018


timer
Tempo aproximado
de leitura:
8 min



O que são debêntures?

Imagine ser credor de uma empresa e fazer disso uma forma de investimento bastante rentável e segura. Pois, é exatamente isso o que é uma debênture.

Quem não sabe o que é uma debênture, deixa de lado uma possível forma rentável de investir seu dinheiro.

Debêntures são títulos que as empresas emitem em forma de dívidas, a fim de captar recursos para investir das mais diversas maneiras. Para muitas delas, realizar essas transações é vital para o seu funcionamento.

É como se fosse um empréstimo. O investidor tem uma renda em forma de juros, que são determinados pelo próprio devedor. Geralmente, as taxas são convidativas, até mesmo para atrair mais interessados.

No entanto, esses números costumam ser menores do que os praticados pelos bancos para obter empréstimos e financiamentos, para que essa modalidade seja também vantajosa para as empresas.

Todo o processo é garantido, pois o investidor tem direitos conforme estabelecido em contrato. Mesmo que as empresas indiquem a taxa de juros, as condições e os prazos para pagamento, costuma ser uma aplicação vantajosa sendo o risco bem analisado.

Por isso, agora que você já sabe o que são debêntures, tenha todas as informações necessárias para fazer um excelente investimento.

Quais são os tipos de debêntures?

Existem algumas classificações diferentes. Esse investimento pode variar quanto à forma, recebimento e também em razão de ser conversível e não conversível.

Primeiramente, você saberá mais sobre as maneiras de ser realizar a debênture: nominativa ou escritural.

Nominativa

Nessa categoria, o registro e gestão das transferências são feitos pela empresa emissora, em nome do investidor inicial. Tudo o que diz respeito à aplicação é devidamente anotado em um Livro de Registro de Debêntures Nominativas.

Escritural

A principal diferença em relação à variação anterior é que sua tutela é de uma instituição financeira abalizada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Ela faz todo o controle de registros e transferências.

A debênture, neste caso, também permanece no nome do investidor, em conta de custódia.

A classificação pode ser feita de acordo com a forma como o investidor recebe a quantia: simples, permutável ou incentivada.

Simples

Também chamada de não conversível, é o tipo de debênture mais comum. Sua principal característica é a impossibilidade de convertê-lo em ações da empresa.

Por meio dessa modalidade, a captação de recursos em médio e longo prazo é bastante viável, seguindo, evidentemente, o que foi acordado na escritura de emissão. Já para o investidor, o recebimento se dá em capital, em forma de juros e, no momento do vencimento, o valor inicial que foi aplicado.

Portanto, trata-se também de um título de renda fixa, cujos acréscimos podem ser pré ou pós-fixados. Desde o início, o investidor sabe a data do resgate da debênture.

Além da taxa de juros determinada pela empresa emissora, a definição do valor dos rendimentos se dá em conformidade com seu risco de crédito e garantias do título. Os ganhos são proporcionais aos perigos.

Permutável

Nesse tipo de debênture, o investidor tem a opção de receber o valor por meio de ações da empresa, desde que por iniciativa própria. Todos os detalhes são esclarecidos na escritura de emissão, no momento em que a negociação é realizada.

Por permitir tal opção, essa variedade também é chamada de Debênture Conversível em Ações (DCA). Além de representar uma dívida da empresa emissora, como em transações de qualquer tipo, deixa de ser apenas uma aplicação de renda fixa, pois, se o investidor escolher a conversão em ações, passa a ser variável.

Embora os acionistas tenham privilégio na emissão das DCAs, a comutação da debênture em ações não conta com preferências.

Incentivada

Atrai um grande número de investidores por não incidir tributação de Imposto de Renda e outras taxas. Assim, a rentabilidade é totalmente livre, nesse aspecto.

Essa característica tem como propósito o estímulo à obtenção de recursos por companhias cuja importância para o progresso da economia é clara.

No entanto, essa vantagem é normalmente concedida a aplicações de longo prazo, o que pode ser inviável para quem precisa de liquidez. Por outro lado, o investidor tem uma economia de 15%, referente à alíquota mínima incidente sobre os recebimentos.

Quais são as espécies de debêntures?

Ao saber o que são debêntures e suas variedades, é muito comum confundir as variedades, já mencionadas, com as espécies, o assunto a ser abordado neste tópico. Você verá, a seguir, a classificação conforme as garantias oferecidas, ou a falta delas.

Com garantia real

Nessa categoria, o investimento é garantido por meio de penhor, caução, hipoteca ou anticrese. Os bens destinados à garantia são definidos e listados na escritura de emissão. Dessa maneira, ambas as partes têm conhecimento sobre o assunto e cada item é registrado no cartório correspondente (Registro de Títulos e Documentos ou Registro de Imóveis).

Qualquer imóvel da empresa ou de terceiros pode ser dado como garantia.

As debêntures com garantia real permitem que o valor do empréstimo ultrapasse o capital social. Porém, quando isso acontecer, a cotação do imóvel deve ser de até 80% do montante. Os bens não precisam ser de propriedade da empresa emitente.

Com garantia flutuante

A principal diferença em relação à espécie anterior é que, em caso de falência, é confirmado o privilégio sobre o ativo da empresa emitente. Por outro lado, os bens colocados como garantia na transação ficam à disposição do emissor, mesmo sem a autorização do investidor.

Dessa forma, não há bloqueio desses bens, e pode haver alteração dos ativos da companhia.

Quirografária ou sem preferência

Nessa espécie de debênture, o ativo da empresa ou de terceiros não tem garantia efetiva, bem como vantagens sobre ele e outra companhia da mesma sociedade, por exemplo.

O limite da aplicação é restrito ao seu capital social e, caso ela deixe de existir, todos os credores da empresa têm benefícios semelhantes.

Subordinada

Se houver dissolução da empresa ou sociedade à qual ela pertence, os privilégios recaem sobre os seus acionistas. Nesse caso, a emissão não tem um limite preestabelecido.

É uma modalidade que oferece vantagens para os investidores no que se refere ao pagamento de juros, pois há um prêmio pelo risco envolvido.

Quais as grandes vantagens de investir em debêntures?

Quem pretende fazer esse tipo de investimento pode garantir algumas vantagens para lucrar. Os números costumam variar conforme opção escolhida, mas, geralmente, é possível fazer bons negócios avaliando bem o risco em cada caso.

Rendimento acima da média

Os rendimentos são maiores, se comparados com outras formas de aplicação.

Como já mencionado, o principal objetivo das empresas que emitem esses títulos é captar verba. Assim, como determinadores de juros e outros itens relacionados ao investimento, é natural oferecer opções que realmente valham a pena.

As debêntures, como consequência, têm um rendimento mais elevado em comparação a operações similares de renda fixa. Seus principais concorrentes são as letras de crédito e o CDB. Alguns dos números não são encontrados em nenhuma outra aplicação.

Até mesmo em paralelo com operações com renda variável, a debênture ganha. Além de garantir uma boa rentabilidade, também promove segurança e riscos menores, como você verá a seguir.

Baixo risco

Apesar do baixo risco ser um grande atrativo para quem deseja investir nessa opção, é importante saber que ele é proporcional à confiabilidade da empresa emitente do título no mercado.

Mas, para ter mais segurança em sua escolha, não é preciso pesquisar a fundo sobre a corporação. Existem agências de classificação que prestam serviço para identificar o grau de risco que se tem ao apostar em um determinado emitente.

A avaliação é feita por meio de notas, que são as mesmas aplicadas em outros aspectos pelos gestores. Por isso, elas têm credibilidade.

Flexibilidade

Não há uma única maneira de investir em debêntures. Os juros podem ser tanto pré-fixados – já sabidos desde o momento de contratar a aplicação – quanto pós-fixados – os que estão diretamente relacionados a algum indicador.

Normalmente, servem como parâmetro o IPCA (Índice Nacional de Preços do Consumidor Amplo) e a inflação divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A conversão não é feita de uma única maneira, o que também atesta sua versatilidade. Ela pode ser mista ou por meio de ações.

Até mesmo o perfil de empresa emitente de títulos pode ser escolhido pelo investidor, que pode levar em consideração seus objetivos e planos nesse momento, como segmento, porte… enfim, há uma ampla gama de possibilidades e de taxa de juros.

Possibilita uma carteira diversa

Mesmo quem já investe em outras modalidades de renda fixa e variável, pode apostar nas debêntures, principalmente quando considerar que chegou ao limite dos rendimentos. Assim, é possível ter ainda mais lucros, pois, como já mencionado, essa aplicação tem uma taxa acima da média.

O investidor é credor

Essa é uma vantagem significativa, principalmente se for comparada à compra de ações de empresas. Nessa variedade de investimento, há as vantagens naturais quando a companhia tem resultados positivos, mas o acionista também é, de certa forma, encarregado pelas obrigações.

Assim, quando a empresa passa por um momento desfavorável, o investidor também tem prejuízos.

Já ao optar por debêntures, apenas os benefícios são desfrutados, pois o investidor é credor da empresa, em vez de acionista.

Quem pode investir?

Quem deseja investir em debêntures precisa ter um valor mínimo para começar.

Com todas essas informações – o que são debêntures, seus tipos e vantagens -, é comum se perguntar qual o perfil de investidor mais adequado para tal aplicação.

Como traz uma rentabilidade muito boa e riscos mais baixos, é perfeito para iniciantes em investimentos em geral. Mas, essa aplicação é válida para qualquer pessoa que se sinta atraída por ela, desde que haja um investimento mínimo.

Não há um valor padrão, pois, já que os juros variam, o capital inicial também tem a mesma condição. Algumas companhias exigem R$1 mil ou R$2 mil, enquanto outras exigem um montante bem mais alto, que pode chegar a R$200 mil.

Como se percebe, qualquer pessoa pode escolher investir em debêntures, embora o dinheiro a investir inicialmente pode limitar as opções. Entretanto, a maior parte das empresas não exige altas quantias, e, dessa forma, é possível fazer ótimos negócios, mesmo sem muito dinheiro.

Como investir?

Com a escolha feita, o momento é de saber o passo a passo para começar a investir. Veja como fazer isso, de uma maneira bem simples.

Escolher o modo

Ainda que pessoas físicas tenham acesso à essa forma de aplicação, algumas empresas dão preferência a usuários de fundos de pensão ou investimento.

Isso funciona da seguinte maneira: os fundos compram cotas e, assim, movimentam mais dinheiro. Porém, não há como gerir as decisões.

Abrir conta em corretora de valores

A corretora se responsabiliza por fazer a movimentação da verba investida. Não há outra maneira de investir em debêntures.

Para isso, é necessário verificar as opções, reputação da corretora e também o valor da taxa de administração.

Analisar as alternativas

Esse é um dos pontos cruciais: escolher a empresa por meio da qual se quer investir. Para isso, devem ser levados em conta a taxa de juros, perfil como investidor e precisão pessoal.

Pode-se optar por uma ou mais debêntures que atendam a esses requisitos.

Como credor, o investidor deve verificar se a companhia cumpre em dia seus compromissos financeiros, seu panorama nesse sentido e qual o seu cenário futuro.

Sobre a debênture, é importante saber suas garantias e condições de pagamento.

Atente-se para o fato de que o pagamento é feito através da corretora, mas é possível monitorar todo o processo de forma independente.

Assim como uma ação, você pode vender os títulos, caso perceba alguma situação desfavorável. Isso também é feito por intermédio da corretora.

Qual a diferença entre bonds e debêntures?

Os bonds têm a mesma definição: títulos de dívidas de empresas, por meio dos quais o investidor é seu credor. No entanto, não se trata da mesma operação.

Os bonds podem ser até mais estáveis do que as debêntures. As garantias são certeiras e os riscos são ainda menores. Mas, isso não é uma regra, já que, ao compará-los com uma debênture de garantia real, por exemplo, esta pode ser até mais segura.

Você acabou de saber o que são debêntures e de ler um guia completo sobre o assunto. Para ter mais informações sobre vida financeira em geral, leia outros artigos do site e mantenha-se sempre atualizado. Em caso de dúvidas, deixe seu comentário abaixo.



Leia mais

Grana
timer 4 min

Empréstimo pessoal: saiba como ter a melhor oferta mesmo na crise

agosto de 2017
Grana
timer 5 min

Empréstimo para pessoa física: qual é a melhor escolha?

janeiro de 2018
Grana
timer 5 min

Empréstimo para casamento: os grandes atrativos e por que vale a pena fazer?

março de 2018