Golpe nunca mais: saiba tudo sobre as taxas que você paga

By:

Com tantas opções de crédito no mercado brasileiro, é normal ficar perdido na hora de contratar. E com relação aos preços, parece tudo meio igual, né? Mas as taxas não são iguais e a gente explica.

Temos que ficar atentos aos valores cobrados, taxas e encargos que podem vir durante a contratação de qualquer produto.

No caso do crédito, os valores cobrados são tarifas de produto e serviço, juros e o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

Esses encargos fazem parte de cada instituição financeira que oferece o produto de crédito, mas variam seus valores e taxas baseadas em sua própria política.

Juros

A taxa de juros é basicamente o rendimento do valor emprestado pelo período determinado em contrato. 

Para determinar o valor dos juros são definidas taxas percentuais (taxas de juros) decididas pela política do credor, ou seja, o local onde se realizou a contratação do crédito.

Essas taxas podem variar de instituição para instituição de acordo com a análise do credor e tamanho do risco do emitente. 

O mercado brasileiro utiliza de forma padrão a Taxa Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia), criada em 1979 pelo Banco Central do Brasil, tendo um papel de balizador no  controle da inflação. 

Ela influencia todas as taxas de juros do país, sendo elas: taxas de empréstimos, dos financiamentos e das aplicações financeiras.

IOF

O Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), é um imposto federal, ou seja, é um valor que é pago diretamente ao governo pela instituição financeira em seu nome.

As operações financeiras que aplicam essa taxa são: crédito, câmbio e seguros, além de operação de Cédulas Bancárias e imobiliárias, como bolsa de valores ou fundo imobiliário.

Seu propósito é ser um regulador da economia nacional. Essa taxa serve também como um recolhimento proporcional dos investimentos no mercado, dando conhecimento da demanda e oferta atual de crédito e podendo ser alterada a qualquer momento sem passar pelo Congresso Nacional.

Tarifas (Produtos e Serviços)

Essas tarifas de produtos ou serviços, diferentes do IOF e Juros que precisam estar presentes no contrato, são opcionais e variam para cada instituições em aplicá-las ou não.

Porém dentro dessas taxas, temos uma seleção de quais são permitidas no Brasil, sendo elas:

– Exclusão do nome do Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos (CCF);

– Pedido de contra ordem (ou revogação) e oposição (ou sustação) ao pagamento de cheque;

– Confecção e fornecimento de folha de cheque que ultrapassem 10 unidades mensais (que são gratuitas);

– Transferência de DOC ou TED;

– Fornecimento de microfilmagem de cheques;

– Extratos mensais além do número estabelecido no pacote de serviços essenciais gratuitos;

– Saques feitos além do número permitido gratuitamente por mês;

– Recebimento de depósito identificado;

– Emissão de Cheque Administrativo;

– Segunda via de cartão de débito ou cartão poupança devido a roubo, furto, perda ou mau uso.

E seguindo a linha de crédito pessoal temos a Taxa de Cadastro, que pode ser cobrada pela Instituição Financeira caso a mesma queira aplicar.

FRAUDE

Para sua própria segurança, na hora de uma contratação é muito importante se atentar a todos os processos da Instituição onde está sendo contratado o seu produto.

Algumas dicas que podem te ajudar a não cair em algum golpe são:

– Consultar os valores e taxas que são cobrados durante a contratação e se fazem parte do que é permitido hoje no Brasil;

– Procurar se informar sobre a Instituição, ver se ela é uma empresa realmente confiável e como vem atuando com seus clientes;

– Se for um processo online, certificar que você está em um site totalmente seguro e que suas informações não serão expostas;

– Verificar se há algum tipo de taxa antecipada. Essa é uma prática proibida pelo Banco Central;

– Venda casada é uma prática criminosa, nesse caso, o consumidor não é obrigado a contratar serviços adicionais para ter acesso ao crédito;

– Todos os contatos devem vir em nome da Instituição contratada;

– Em caso de representantes comerciais, certificar-se de que tais estão realmente atuando em nome da Instituição do credor;
– Se receber qualquer ligação pedindo para que você confirme seus dados, sem saber do que se trata, não passe qualquer informação;

– Contrate o crédito apenas em bancos, instituições financeiras ou correspondentes bancários que são instituições autorizadas pelo Banco Central.

Gostou do conteúdo? Quer receber dicas sobre finanças e assuntos similares? Curta e siga nossas redes sociais e fique por dentro! 

Caso tenha interesse em empréstimo pessoal, entre no nosso site e faça uma simulação!

www.rebel.com.br


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *