Antes de contar calorias, leia isso

Por Fabi Sabatini, especialista em vida saudável

Se eu tivesse que escolher uma só mudança capaz de transformar mais rapidamente a vida de uma pessoa, eu diria que essa mudança deve ser na alimentação.

Não há nada que impacte mais diretamente a nossa saúde como os alimentos que ingerimos.

Comer mal é o mesmo que colocar combustível de má qualidade no nosso carro.

E o funcionamento das nossas células está relacionado diretamente à qualidade dos alimentos que consumimos.

A verdade é que precisamos aprender a comer comida de verdade. Ou seja, integral, natural e minimamente processada.

Algumas pessoas não sabem o que é uma abobrinha. Tem gente que fica semanas sem comer uma fruta…

E mais, os alimentos ultraprocessados são terríveis para a saúde. E, infelizmente, hoje eles estão na lista de compras de 9 entre 10 brasileiros.

Açúcar refinado, farinhas, barrinhas de cereal e por aí vai…
Esses pacotinhos e latinhas são um perigo.

Se você pega a embalagem e vê mais de 3 ou 4 ingredientes, já pode ficar desconfiada.

Principalmente se alguns dos ingredientes tiverem nomes esquisitos, que você nem sabe o que significa.

Mas Fabi, por que os alimentos industrializados fazem tão mal?

Os alimentos industrializados possuem substâncias que nosso organismo consegue digerir ou metabolizar em determinadas quantidades.

Por exemplo, o açúcar em grandes quantidades provoca desequilíbrios muito sérios na nossa saúde metabólica.

E a síndrome metabólica é a doença do nosso século.
Hoje já existem estudos que indicam que o desequilíbrio do nosso metabolismo pode causar doenças como câncer e Alzheimer.

E tudo isso começa com a ingestão de alimentos impróprios para o nosso corpo, como o açúcar refinado.

Em contrapartida, quando consumimos alimentos integrais, colocamos o tipo de combustível certo no nosso trato digestivo.

Ao alimentar a nossa microbiota (as bactérias que vivem no nosso intestino) com a dieta adequada, somos capazes de absorver melhor os nutrientes que nosso organismo precisa.

E assim nosso corpo vira uma máquina supereficiente.

E quanto às calorias? Devemos nos preocupar com elas ou não?

Antes de pensar em calorias, temos que pensar: esse alimento possui nutrientes?

É claro que precisamos de calorias, mas a densidade nutricional de um alimento é muito mais importante.

A contagem de calorias é uma técnica já defasada.
Fez parte dos manuais de nutrição nos anos 80 e acabou desencadeando a onda do light, do diet, das barrinhas de cereal e da vilanização das gorduras.

Mas o que nós precisamos pensar é na quantidade e na qualidade dos nutrientes dos alimentos que ingerimos.
São os nutrientes que vão nos deixar saciados, que vão nos dar energia pro dia.

E os alimentos orgânicos?

Os alimentos orgânicos são uma variável importante nessa equação.
Eles são muito mais ricos nutricionalmente do que aqueles cultivados com agrotóxicos, pois a terra onde cresceram possui mais nutrientes.

Quanto mais alimentos orgânicos consumimos, mais a gente garante o bom funcionamento das nossas células, mais diminuímos nossos marcadores inflamatórios, mais destruímos radicais livres e mais aumentamos a imunidade.

Qual é o grande segredo da boa alimentação?

O grande segredo é aprender a ouvir o próprio corpo.
Se você tem muitas dores, tá sem energia e vive inflamada, então seu corpo está tentando dizer que algo está errado.

Investigue o que você anda comendo, faça alguns testes, restrinja alguns alimentos e tente descobrir o que te faz bem e o que te faz mal.

Nada do que ingerimos deve provocar mal-estar.
Uma boa alimentação naturalmente nos dá disposição, nos leva ao nosso peso ideal, melhora a nossa performance e adia o nosso envelhecimento.

Quando você fizer essa mudança nos seus hábitos alimentares e sentir a diferença que faz na sua vida, você não vai querer nunca mais voltar atrás.

E como tá a sua alimentação?
Deixa aqui embaixo nos comentários.

Quer mais dicas sobre vida saudável? Espia meu blog!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *