close

Grana

IOF zero prorrogado: qual o impacto para o seu bolso?

julho de 2020


timer
Tempo aproximado
de leitura:
3 min



Se você já viajou ao exterior com cartão de crédito ou solicitou empréstimo, já deve ter tomado um susto com essas três letrinhas: IOF, o Imposto sobre Operações Financeiras. Trata-se de uma % arrecadado pelo Governo sobre a grande maioria das transações financeiras feitas no Brasil por pessoas físicas ou jurídicas. Acontece que agora e pelos próximos três meses será aplicado o IOF zero a algumas dessas movimentações.

O Decreto 10.305/2020 foi anunciado pela Receita Federal no dia 1 de abril, inicialmente válido até 3 de julho, mas prorrogado pelo Governo até 2 de outubro.

Portanto, o IOF zero tem validade para as operações de crédito contratadas entre 3 de abril e 2 de outubro de 2020.

A medida deverá ter um impacto de R$ 7 bilhões na arrecadação pública.

O que é esse IOF zero?

O IOF zero nada mais é, então, do que deixar de cobrar essa taxa temporariamente para algumas operações financeiras, as que envolvem crédito.

O IOF dessa categoria é de 3% ao ano. Isso pode significar uma economia de algumas centenas de reais sobre seu empréstimo ou financiamento, por exemplo.

A medida foi adotada exatamente para que o crédito fique mais barato ao consumidor em um momento de crise financeira.

Aproveite a isenção para simular uma proposta de crédito mais barata

Como tenho direito ao IOF zero?

Quem fica responsável por cobrar o IOF é a instituição que está te concedendo o crédito. No caso de um empréstimo com a Rebel, por exemplo, cabe à Rebel te dizer exatamente qual é esse valor sobre a sua proposta de crédito, e cobrá-lo ao longo de suas parcelas.

Com o IOF zero, você não precisa solicitar a não cobrança desse imposto. Ele deverá automaticamente ser excluído dos empréstimos e financiamentos (de todos os tipos).

Portanto, basta ficar atento para que, nessas transações que você realizar pelos próximo 90 dias (até 02/10, quando termina a vigência do Decreto), não seja cobrada essa taxa indevidamente, caso em que você deve notificar a concedente do crédito.

Mas lembrando que são apenas essas operações de CRÉDITO que estão isentas da cobrança desse imposto. Seguros, câmbio de moedas, compra e venda de títulos e valores imobiliários continuam com a incisão de IOF. Sobre cada uma dessas movimentações incide uma % específica, chamada de “alíquota”.

Outras medidas para o consumidor

Outra medida anunciada para ajudar com o orçamento dos brasileiros foi a aprovação da Lei 13.982, popularmente chamada de “coronavoucher”, que cria um auxílio a MEIs e trabalhadores informais e intermitentes que tenham receita familiar de até três salários mínimos (R$ 3.135,00) ou renda per capita de até meio salário mínimo (R$ 522,50) – além de outros critérios.

Entenda quem poderá se beneficiar do auxílio de R$ 600 do Governo

Outras medidas para as empresas

Além de anunciar a desoneração do IOF para operações de crédito, a Receita também irá prorrogar o recolhimento das contribuições para o Pis-Pasep, o pagamento da Cofins e também da contribuição patronal das empresas para a Previdência Social.

Os valores que deveriam ser recolhidos em abril e maio serão cobrados somente em agosto e outubro.

Segundo José Tostes Neto, secretário da Receita Federal, essas medidas servirão para injetar fluxo de caixa nas empresas, permitindo que se sustentem por mais tempo durante a crise do coronavírus.

Fique de olho aqui para mais notícias que impactam sua grana, saúde e carreira! E não deixe de comentar e mandar suas dúvidas!

Para ler mais conteúdos como este na palma das suas mãos, além de descobrir o “termômetro” da sua vida financeira, baixe nosso app! Disponível gratuitamente na Google Play para Androids e App Store para iOS.



Leia mais

Grana
timer 4 min

Empréstimo pessoal sem garantia: uma opção mais flexível

setembro de 2017
Grana
timer 5 min

Empréstimo sem comprovação de renda: como e onde fazer?

janeiro de 2018
Grana
timer 7 min

Nome negativado: o que é e como limpar?

março de 2018